Instrumentos de Percussão Macapá, Amapá

Buscando por Instrumentos de Percussão em Macapá? Encontre aqui endereços e telefones de profissionais especializados em Macapá que podem te ajudar a encontrar Instrumentos de Percussão em sua cidade. Aproveite para conseguir dicas e mais informações sobre Instrumentos de Percussão com nossos artigos educativos.

Eden Music
(96) 3281-2786
Rua Presidente Kennedy, 63
Santana, Amapá
 
Domestilar
(96) 3217-1500
Rua Barão Mauá 1957
Macapá, Amapá
 
Importadora Nely Monte
(96) 3261-1946
Rua Cândido Mendes 1402 altos
Macapá, Amapá
 
Domestilar
(96) 3314-1601
Rua Salvador Diniz 960
Santana, Amapá
 
A Credilar
(96) 3281-1302
Avenida Santana 958
Santana, Amapá
 
Domestilar
(96) 3217-1594
Rua Cândido Mendes 1319
Macapá, Amapá
 
Lojas Marcelo
(96) 3223-5205
Rua Cândido Mendes 1618
Macapá, Amapá
 
Domestilar
(96) 3198-1500
Avenida Coaracy Nunes, 101
Macapá, Amapá
 
Silar Móveis
(96) 3281-3590
Avenida Santana 1220
Santana, Amapá
 
Novolar
(96) 3281-2665
Avenida Castro Alves 1447
Santana, Amapá
 

Instrumentos de Percussão

Guia de Compras de Instrumentos de Percussão
O ato ou efeito de percurtir, choque ou embate de dois corpos. Essas são algumas das definições da palavra percussão. Parte de sítios arqueológicos onde foram encontradas representações de pessoas “dançando” em volta do tambor, os instrumentos de percussão são os mais antigos. Pela forma de produção de som característica da maior parte desses instrumentos, o som possui um ataque de curta duração. O som vai quase que imediatamente do silêncio à sua intensidade máxima e sofre um decaimento também muito curto. A maior parte dos instrumentos de percussão possuem som de curta sustentação e param de vibrar muito rapidamente após o estímulo inicial, mas essa não é sua característica fundamental, uma vez que existem instrumentos de percussão que produzem sons de longa duração, como os gongos e sinos.
Dos troncos e das sementes das árvores, dos ossos e peles dos animais, do metal e do plástico, do ar e da vibração dos corpos, o homem vem transformando matéria em instrumentos de percussão ao longo de sua história. Portanto, confira abaixo dicas e sugestões de compras destes instrumentos.



Sugestão de Pesquisa de Instrumentos de Percussão
Bateria
Pandeiro
Bongô
Outros





Tabela de conteúdo
1 Guia de Compras de Instrumentos de Percussão
1.1 Como defino o que é instrumentos de percussão?
1.2 Existe alguma classificação para instrumentos de percussão?
1.3 Além dessas duas famílias de instrumentos de percussão, existem outros instrumentos desse tipos?
1.4 Como acertar na compra da minha primeira Bateria?
1.5 Onde e quando surgiu o pandeiro?
1.6 Existem aulas online para aprender a tocar pandeiro?
1.7 Quais ritmos musicais fazem uso do triângulo? Onde ele surgiu?
1.8 Como é o som da castanhola? Qual é a sua origem?
1.9 Em quais ritmos são usados os tamborins e como ele deve ser tocado?
2 Produtos Relacionados

Guia de Compras de Instrumentos de Percussão
Como defino o que é instrumentos de percussão?
São instrumentos executados por impacto com o elemento produtor de som, que pode ser uma pele, corda ou o próprio corpo do instrumento. Este é o meio mais comum de execução. A percussão pode ser executada com baquetas (como na bateria, gongos ou vibrafones), martelos (como alguns carrilhões), as mãos (como o bongô) ou o próprio corpo do instrumento (como as claves). Um teclado pode ser utilizado para provocar o impacto dos martelos, como na celesta ou no carrilhão. Há, também, instrumentos cuja execução depende da agitação, com as mãos ou outro meio, de todo o instrumento, como o caxixi, ganzá, maracas e chocalhos e ainda instrumentos em que a produção do som depende do atrito ou fricção. Este atrito pode ser realizado com baquetas (como no reco-reco e no guiro), com um pano úmido (cuíca) ou com uma rede de contas, como o xequerê e o afoxé.
Existe alguma classificação para instrumentos de percussão?
Sim. A classificação é feita de acordo com os seus princípios acústicos. Instrumentos de percussão, geralmente, são classificados em duas famílias:
Idiofones – instrumentos cujo a vibração do próprio corpo produz o som. Assim, podemos dizer que é o próprio corpo do instrumento que vibra para produzir o som, sem a necessidade de nenhuma tensão, corda, ou outro. Esta categoria compreende a maior parte dos instrumentos executados por atrito (como é o caso do reco-reco e o guiro), por agitação (como o chocalho, caxixi e ganzá), e assim por diante. Fazem parte do grupo dos idiofones os seguintes instrumentos:
Agogô - instrumento de origem africana utilizado com mais frequência em ritmos como a capoeira, samba e no candomblé. Seu nome é um derivado da palavra “akokô” que em nagô significa “relógio” ou “tempo”. O agogô possui um som agudo, sendo o instrumento mais alto das rodas de samba. Algumas fontes afirmam que é o instrumento mais antigo da história do samba.


Afoxé - de origem africana, o afoxé é utilizado em ritmos como samba e umbanda. Pode ser de madeira ou de plástico, envolto, na parte superior, por missangas responsáveis pela emissão do som. O afoxé pode ser de madeira ou plástico, com missangas ou contas ao redor de seu corpo. O som é produzido quando se giram as missangas em um sentido, e a extremidade do instrumento (o cabo) no sentido oposto.


Bloco sonoro - originalmente de madeira, e por isso o seu nome em Inglês (wood block). O bloco sonoro também é feito de plástico, que pela forma que é feito consegue reproduzir um som semelhante ao de madeira. É utilizado nos mais variados ritmos musicais por ser um “efeito”. Um conjunto de Blocos Sonoros possui, geralmente, 5 ou mais caixas de tamanhos diferentes, cada uma com uma afinação. Podem ser fixados a um suporte metálico por parafusos ou cordas ou ainda apoiados em uma superfície plana.


Carrilhão - formado por um teclado e por um conjunto de sinos de tamanhos variados, controlados pelo teclado. Os carrilhões são normalmente alojados em torres de igrejas ou conventos e são um dos maiores instrumentos do mundo. Em média, os carrilhões possuem 47 sinos, enquanto os maiores possuem 77 sinos. Porém, existe ainda o Carrilhão Sinfônico ou de Orquestra, nos quais são formados por tubos ocos de diferentes tamanhos, soando diferentes alturas de notas. Os carrilhões são dispostos no sentido vertical, pendurados de maneira gradual, de acordo com os seus tamanhos. A batida no carrilhão é feita através de uma baqueta na extremidade superior do carrilhão.


Castanhola - seu nome deriva do seu formato, parecido com uma castanha. Mais popular em países de origens hispânicas, a castanhola é utilizada em danças folclóricas como o Flamenco. Este instrumento é constituído por dois pedaços de madeira de castanheiro em forma de prato fundo, perfurado e ornamentado com uma fita que se coloca em redor do polegar. O seu nome deriva exatamente por conta do seu formato, que lembra uma castanha. O som das castanholas é seco e oco, de entoação imprecisa.


Caxixi - parte do Berimbau, o caxixi é um instrumento de origem africana utilizado na capoeira e em outros ritmos brasileiros. É classificado como um efeito. A abertura do instrumento é fechada por uma rodela de cabaça. Para fazer soar o seu com, o caxixi possui em seu interior pedaços de acrílico, arroz ou sementes secas. Esse instrumento é muito utilizado como complemento de outro: o berimbau.


Chocalho - podemos definir como um corpo de metal oco, preenchido de pedaços de chumbo, arroz, dentre outros. Mas pode ser feito com a união de dois cilindros e com o preenchimento de fragmentos. É possível, também, possuir outras formas e outros nomes, como por exemplo Ganzá ou até guaiá. Utilizados no samba e em músicas regionais brasileiras.


Reco-reco - Reco-reco é uma definição dos idiofones cujo som é produzido por raspagem. No Brasil, a forma mais comum desses instrumentos é constituída de um gomo de bambu ou uma pequena ripa de madeira com talhos transversais. Mas, na verdade, o mais popular é o reco-reco de mola utilizado nas escolas de samba. Há também o Guiro que tem o mesmo padrão de reco-reco, mas tende a ser mais rústico.


Triângulo - derivado do folclore português hoje o triangulo é referência quando falamos de música nordestina. O triângulo é comumente incluído na seção de percussão de uma orquestra ou de uma banda de música. Pode ser fabricado a partir do ferro, do aço ou do alumínio. Seu som é obtido através do movimento do bastão no triângulo, podendo o som ser do tipo aberto ou fechado. Este instrumento pode ser usado em combinação com a zabumba e o acordeão em ritmos regionais como forró, xaxado, xote, dentre outros.



Membranofones – são aqueles cujo o som provem da pele, tecido ou membrana de material sintético. Os tambores em geral;

Caixa - Caixa é um tipo de tambor bi-membranofone, composto por um corpo cilíndrico de pequena seção, com duas peles fixadas e tensionadas através de aros metálicos, além de uma esteira de metal, constituída por pequenas molas de arame colocada em contato com a pele inferior, que vibra através da ressonância produzida sempre que essa pele superior é percutida, produzindo um som repicado, característico das marchas militares.


Cuíca - Diferente da maioria dos instrumentos de percussão, a Cuíca é um instrumento de fricção em formato de “tambor”. Existe internamente uma haste de madeira presa no centro da membrana de couro, que quando friccionada com um pano molhado, emite o som de ronco característico da cuíca. Os tons produzidos tentam imitar a voz na forma de grunhidos, gemidos, soluços e guinchos, e podem estabelecer assim um ostinato rítmico.


Pandeiro - Com certeza é a referência maior da música brasileira. O pandeiro tem origem árabe, passando por Itália e Espanha, até chegar aos trópicos e se tornar referência. Hoje temos diversos tamanhos e modelos de pandeiros, e este instrumento que antes tinha espaço apenas em reuniões de sambistas, hoje “desfila” por vários ritmos (o pandeiro, pode ser classificado com idiofônico e membramofônico pois possui duas fontes sonoras diferentes, as platinelas e a membrana).


Repinique - derivado do repique, este sim foi criado dentro das escolas de samba. Diferenciado, pois é tocado apenas com uma baqueta, o repinique é quem “puxa” a bateria na escola de samba. Também é tocado junto com os tamborins em ritmo galopado.


Surdo - Surdo é um tambor cilíndrico de grandes dimensões e com um som profundamente grave. O surdo é tipicamente feito de madeira ou metal e possui peles em ambos os lados do cilindro. Este tipo de instrumento é tradicionalmente usado em escolas de samba, sendo que cada escola possui uma média de 25 a 35 unidades na sua bateria. No entanto, o surdo também é encontrado em torcidas organizadas e bandas marciais ou militares. Sua função principal no samba é a marcação do tempo; já nas bandas são utilizados para marcar o pulso binário da marcha, em conjunto com o bumbo e a caixa.


Tantã - Tantã é um instrumento de percussão, da família dos membranofones, criado por um sambista brasileiro (Sereno) a fim de substituir o surdo de marcação nas rodas de samba. Este instrumento possui um formato cilíndrico ou afunilado, com o fuste em madeira ou alumínio. Assim como os demais instrumentos desse grupo, possui uma pele animal ou de poliéster (sintética), porém em apenas uma das suas extremidades.


Tamborim - Tamborim é um instrumento de percussão, da família dos membranofones, constituído por uma membrana esticada em uma de suas extremidades, no qual é colocada sobre uma armação de metal, acrílico ou PVC. No Brasil, o tamborim é usado em ritmos de origem africana, como o samba, o cucumbi e a batucada; porém, também está sendo usado em orquestras eruditas.


Tímpano - Os tímpanos são um instrumento de percussão, muito populares nas grandes orquestras, em composições de jazz e em bandas sinfônicas. Sua evolução na música europeia vai desde o par central barroco (sem pedal e com pele animal) ao quinteto moderno do século XX. Ao contrário da maioria dos instrumentos de percussão, que são orquestrados pela clave própria (clave de percussão), os tímpanos obedecem à escala da clave de fá.


Zabumba - A zabumba é um instrumento de percussão, característico de ritmos como o coco, xaxado, forró e xote. A Zabumba possui um som grave, que funciona como o bumbo da bateria. Outro detalhe característico deste instrumento é a vareta percutida na pele inferior do instrumento, chamada de bacalhau. Diferente de qualquer peça de bateria, surdo, bumbo ou similares, o zabumba acompanha na sua pele de cima um abafador, para retirar o excesso de harmônico na nota emitida pela vibração da pele.

Além dessas duas famílias de instrumentos de percussão, existem outros instrumentos desse tipos?
Sim, ainda existem os seguintes instrumentos:
Atabaque - como a grande maioria dos instrumentos de percussão, o atabaque é de origem africana. Sua utilização mais frequente é na capoeira, porém, também pode ser usado em ritmos como o samba e o axé. O seu couro vem da pele da vaca e é esticado por um sistema de anéis de metais ou aros, cordas e cunhas de madeira. É um instrumento tocado com as mãos, com duas baquetas ou com uma mão e uma baqueta. Constitui-se de um tambor cilíndrico ou ligeiramente cônico.

Claves - instrumento de percussão formado por um par de bastões cilíndricos de madeira maciça. Seu diâmetro é de aproximadamente 2,5 centímetros de largura por de 20 centímetros de comprimento, sendo o som produzido batendo um sobre o outro. Por conta da sua batida, as claves são muito utilizadas em ritmos espanhóis, como a salsa.

Chimbau - é um dos pratos da bateria que, assim como o ride, tem a função de conduzir o ritmo. Também é conhecido no termo original em inglês hi-hat. Basicamente, este instrumento consiste em dois pratos montados face-a-face em um pedestal, equipado com dispositivo de pedal. Podem ser tocados com baquetas ou vassourinhas, com os pratos fechados, durante a abertura ou abertos, ou ainda acionando o pedal para trazer os pratos juntos de forma vigorosa.

Cowbell ou Caneca - o cowbell é um instrumento musical, mais precisamente um idiofone percutido. A caneca pode ser construída a partir de vários materiais, como aço, cobre, dentre outros, e pode ter vários tamanhos para se obter alturas diferentes. São, geralmente, percutidas com baquetas de bateria, mas ultimamente algumas marcas têm desenvolvido baquetas próprias este instrumento. As canecas desempenham um papel importante na música latino-americana, nos quais servem para acentuar o ritmo.

Como acertar na compra da minha primeira Bateria?
Primeiramente, é mais recomendado que o iniciante comece com uma bateria para iniciante. Assim, o ideal é um kit pequeno, que exigirá mais criatividade para reproduzir suas variações. Assim, quando você se deparar com um kit grande não terá dificuldades. Ao contrário, vai ter um universo muito maior para não cair na mesmice das viradas e levadas. É recomendado conversar com pessoas que também tocam bateria. Leia artigos na internet e procure aquela que mais atenda às suas necessidades.
Onde e quando surgiu o pandeiro?
Algumas versões afirmam que existe a possibilidade do pandeiro ter existido no período Paleolítico, sendo um instrumento popular na Ásia, África e Europa desde o período Neolítico. Em todas as grandes civilizações do passado, do Crescente Fértil ao Egito, passando pela Grécia e Roma, o pandeiro aparece representado especialmente em volta do Mediterrâneo. O seu uso manteve-se até à atualidade na maioria das regiões do mundo, chegando a alcançar orquestras, como na execução da ópera Preciosa de Weber, por exemplo.
Existem aulas online para aprender a tocar pandeiro?
Sim. Existem apostilas e aulas online que ensinam as pessoas que têm o desejo de aprender a tocar pandeiro. Além disso, existem diversos vídeos no youtube que mostram passo-a-passo por onde começar, as posições corretas e algumas músicas, sem que você tenha que se matricular em uma escola e sair de casa para realizar as aulas.
Quais ritmos musicais fazem uso do triângulo? Onde ele surgiu?
O triângulo é comumente utilizado em combinação com a zabumba e o acordeão em ritmos regionais como o forró, o xaxado, o xote, dentre outros.
Segundo o site Rua Direita, o triângulo foi primeiramente documentado no século 10. Nos primórdios da sua história, foi usado nas celebrações da igreja e por isso era frequentemente associado com a arte religiosa. Os primeiros triângulos não tinham a “parte final aberta e, geralmente, tinham até cinco anéis de metal roscados no instrumento. Os anéis libertavam um som estridente grosseiro. Este estilo de triângulo sobreviveu até meados do século 19, altura em que foi substituído pelo modelo que hoje conhecemos. No final do século 18, o triângulo era utilizado na orquestra somente para efeitos especiais excepcionais. À medida que o século 19 avançava, o instrumento foi gradualmente aceite como um “membro” regular da orquestra.
Como é o som da castanhola? Qual é a sua origem?
As castanholas emitem um som seco e oco, de entoação imprecisa. São de origem espanhola e, apesar de serem conhecidas desde o tempo dos Romanos, são populares também em Portugal, assim como alguns países hispano-americanos. As castanholas servem de acompanhamento rítmico para muitas danças folclóricas, como o flamenco. Também podem ser utilizadas em orquestras, no extremo de uma pequena vara que é agitada.
Em quais ritmos são usados os tamborins e como ele deve ser tocado?
O tamborim é muito utilizado em ritmos de origem africana, como o samba, o cucumbi e a batucada. Para tocá-lo, o instrumentista deve segurar o instrumento com uma das mãos, realizando o batuque com a baqueta, que pode ser de plástico e medir, aproximadamente, 15 cm de altura por 5 cm de diâmetro.
Produtos Relacionados
Instrumentos de Cordas
Instrumentos de Sopro
Instrumentos de Teclados
Obtida de http://www.wiki2buy.com.br/Instrumentos_de_Percuss%C3%A3o
Categoria: Guia de Compras